Do Outro Lado da Cerca: Alien Syndrome – Parte 2 de 2

Alien Syndrome – Wii / PSP (2007)

Alien Syndrome (Wii, EUA)
Alien Syndrome (Wii, EUA)

Por Chris Rasa

Apesar da qualidade duvidável das versões para GBA de Revenge of Shinobi e Altered Beast: Guardian of the Realm, SEGA/Sammy permitiu que outra de suas propriedades clássicas fosse utilizada por uma empresa totalmente diferente. Neste caso, entretanto, o desenvolvedor é a Totally Games. Totally Games é responsável pela criação de cada episódio da venerável série de jogos X-WingTIE Fighter para PC e Mac, Assim como o mais recente jogo de caças da Segunda Guerra, Secret Weapons Over Normandy. Com Alien Syndrome, Totally Games resolveu trazer a franquia de volta, agora no formato de exploração de dungeons, não muito diferente de Baldur’s Gate: Dark Alliance. Até quatro jogadores podem trabalhar juntos, cruzando uma enorme instalação interestelar infestada pela Alien Syndrome. Essa nova versão de Alien Syndrome foi lançada para Wii e PSP.

O jogo se passa 100 anos depois do original, e segue as aventuras de uma oficial militar chamada Aileen Harding. Ela é enviada para investigar uma isolada colônia espacial, que teve suas comunicações cortadas. Obviamente, a culpa é da Alien Syndrome.

Alien Syndrome
Alien Syndrome (Wii)

O jogo já desvia do normal jogo no início: logo de cara você precisa escolher uma classe de personagem. Isso determina o tipo de arma em que você é mais eficiente assim como os bônus de atributos que você ganha durante o jogo. ganhar bônus? Atributos? Classes de personagem? Sim, na versão de 2007 de Alien Syndrome você vai gastar boa parte do tempo em menus, distribuindo pontos e montando armas ao invés de matar aliens. Apesar do jogo funcionar bem no quesito ação, ele não funciona tão bem ao mesclar “dungeon crawling” com o ritmo de ação deliberada do Alien Syndrome clássico.

Os controles são muito bons. Isso é especialmente verdade no Wii, onde você pode mover se personagem com o nunchuck, enquanto escolhe, mira e atira com sua arma usando o wiimote. Demora um pouquinho para se pegar o jeito, mas acaba sendo muito bom, permitindo que você consiga se mover por multidões de aliens, ainda sendo capaz de matá-los com eficiência, já que você pode se mover em uma direção enquanto atira em outra. Na versão para PSP, você pode segurar um botão para para fazer strafe enquanto atira.

Você tem acesso à uma variedade de armas que vai desde categorias baseadas nas armas do Alien Syndrome original (lança-chamas, lasers, explosivos, etc) até vários tipos de armaduras que alteram os seus stats. Estas podem ser equipadas por um dos vários menus que você deve ciclar para gerenciar os seus stats, inventário, armas e armaduras.

Os controles da versão para Wii também são muito bons pois permitem que você aponte com o wiimote para fazer escolhas nos menus, assim como usar movimentos como atalhos para várias técnicas de combate. Você também pode usar o nunchuck para virar levemente a câmera, algo muitas vezes necessário devido ao grande número de canos e destroços que os designers colocaram entre seus olhos e a ação.

A versão para Wii também tem outras coisinhas à mais. Existem cápsulas espalhadas pelas áreas que permitem que você jogue um minigame para melhorar o seu personagem. os minigames representam diferentes tipos de pesquisa e manipulação genética, mas as regras e estrutura os fazem parecer sem sentido e simplesmente colocados no jogo de qualquer jeito. A qualidade do jogo não mudaria se eles fossem removidos completamente.

O modo de montagem de armas é comandado por um amiguinho robô, parecido com um MAG do Phantasy Star Online. O drone que te segue por aí é chamado de SCARAB: Sentient Combat And Recycling Assembly Bot (Robô sentiente de combate, montagem e reciclagem). A parte de reciclagem envolve você se livrar de armas e ítens desnecessários para ganhar resource points, que são então utilizados para se comprar armas, armaduras e ítens novos. Há uma variedade crescente de coisas que você pode comprar à medida que ganha mais experiência durante o combate.

Alien Syndrome
Alien Syndrome (Wii)

Modo Cooperativo

O SCARAB torna o modo multiplayer bastante interessante. Já que você pode suoltar qualquer item no chão à qualquer hora, é muito fácil para os jogadores coordenarem que deve fabricar qual item, para equiparem uns aos outros da forma mais eficiente. É aqui que o sistema de classe e stats do jogo realmente brilha, já que vocês pode trabalhar juntos criando personagens diferentes que se complementam entre si.

Estes elementos são bem interessantes, mas sua implementação no jogo é um tanto crua. O maior problema é que as sessões multiplayer tem um ritmo terrível, acabando em momentos de 10 minutos de ação, seguidos de cada jogador gastando resource points em seus respectivos menus. E a cereja do bolo da falta de refinamento do modo cooperativo é que cada jogador controla uma Aileen Harding de cor diferente. Alien Syndrome já é um jogo sombrio, e apesar de diferentes classes de personagens terem algumas diferenças cosméticas, foi uma péssima idéia não colocar uns poucos polígonos extras para evitar que os jogadores não confundam seus personagens.

aliensyndromewii-12
Alien Syndrome (Wii)

Enquanto os gráficos são muito bons no PSP, eles são embaraçosos no Wii. As texturas utilizadas e a contagem de polígonos de cada objeto não é tão ruim, mas a iluminação e outros efeitos são toscos e fazem o pacote todo ficar muito feio. O jeito mais fácil de perceber isso é jogar com quatro jogadores de uma vez. Existem tantas retículas piscando, sombras pixeladas e pequenas explosões por toda parte que se torna praticamente impossível de se entender o que está acontecendo.

O design de som é totalmente desinteressante. A dublagem é acima da média, mas todos os outros aspectos de áudio são esquecíveis e meramente utilitários.

Artisticamente, o jogo tem altos e baixos. Você pode criticar o jogo por ter os mesmos corredores cinzentos e os mesmos terrores biológicos que vimos nos jogos e filmes por anos, mas isto é Alien Syndrome. No lado positivo, as cenas entre fases são apresentadas em artes estáticas que lembram bastante nos quadrinhos de Aliens comics da Dark Horse do fim dos anos 80, mas ainda tendo um estilo original.

A grande decepção é que apesar de vários inimigos padrão serem claramente inspirados no jogo original, o clima de terror simplesmente não existe. Os chefes são simplesmente aliens maiores, ao invés dos horrores indescritíveis do jogo original. Isso tirou do jogo uma das coisas que fez o jogo chamar a atenção quando ele ainda era novidade.

Alien Syndrome é um jogo bom, mas provavelmente vai ser mais interessante para os fãs de RPGs do que para os fãs Alien Syndrome original. também ele é melhor aproveitado com múltplos jogadores, para evitar que fique muito tedioso.

Sobre o Alien Storm

Apesar de não ser uma continuação em nenhum sentido real, a SEGA fez um jogo para Arcade/Mega Drive/Sega Master System chamado Alien Storm, que era um beat’em up no estilo do Golden Axe, ao invés de um jogo de tiro visto de cima. Você pode escolher entre três personagens – um cara, uma garota e um robô. O cara, Gorgon, veste a mesma roupa azul que Ricky na versão arcade do Alien Storm, enquanto a garota, Karla, veste a mesma roupa amarela que Mary na versão para Mega Drive. Mesmo assim, os jogos não estão tecnicamente relacionados, além do tema de se destruir aliens.

Alien Storm (Mega Drive)
Alien Storm (Mega Drive)

Galeria

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s