Especial Gradius, Parte 13: Gradius Para Portáteis

Nemesis – Gameboy (1990)

Caixa japonesa

Caixa japonesa

Caixa americana

Caixa americana

Assim como a maioria das conversões para Gameboy, Nemesis não é realmente um jogo completamente novo, mas também não pode ser considerado um simples port do jogo. Apesar das fases em si serem tecnicamente diferentes das versões para console e arcade, a maioria consiste de variações já conhecidas, como a fase das cavernas do Gradius original, uma fase Moai, uma fase biológica-alienígena e um cemitério sismilar à fase-bônus presente nas versões do Gradius para PC Engine e MSX.

nemesis1gb-07

Nemesis (Gameboy)

Há também um punhado de chefes novos, o que ao menos o diferencia do Gradius original. A maioria das músicas foi emprestada dos Gradius I e II. Os controles do jogo são bons o suficiente, mas por algum motivo nã existem frames adicionais de animação quando move-se a nave para cima e para baixo, o que é um pouco estranho. Não existe seleção de armas, mas você pode escolher ter até 99 vidas sem ter que acessar nenhum menu de cheats, o que é bem esquisito. Como na maioria dos jogos da Konami para Gameboy da época, esta é uma bela versão “encolhida” da série, mas ela não conta com nada de especial, principalmente com os seus gráficos em preto e branco e baixa resolução.

nemesis1gb-06

Nemesis (Gameboy)

No Japão e na Europa, a Konami lançou uma linha de jogos chamada “Konami Game Boy Collection”, trazendo quatro jogos de Gameboy compilados em um único cartucho. A versão japonesa contava com suporte ao Super Game Boy, enquanto as versões européias tinham suporte ao Gameboy Color. Nemesis está presente no Vol. 1 de ambas as regiões.

gradius1gbc-07

Nemesis (Gameboy Color)

Veja mais fotos de Nemesis para Gameboy na galeria no fim deste artigo.

Gradius: The Interstellar Assault / Nemesis II : The Return of the Hero – Gameboy (1991)

Capa japonesa

Capa japonesa

Capa americana

Capa americana

Diferente do primeiro jogo para Gameboy, Gradius: The Interstellar Assault é um jogo completamente original. Se tem algo que se pode dizer deste jogo é que os desenvolvedores resolveram arriscar e removeram alguns aspectos que são marca registrada da série – como por exemplo, não existem mais segmentos de navegação no começo de cada fase, a maioria dos chefes são bem diferentes dos inimigos “shoot the core” habituais (mas ainda existem uns dois deles). A primeira fase começa com uma sequência de perseguição, com a Vic Viper sendo perseguida por uma nave de guerra gigante, através de um campo de asteróides. Você acaba despistando o seu perseguidor em algumas cavernas, mas depois de atravessá-las, você é capturado e e precisa abrir o caminho para a sua liberdae à força. Uma vez livre, você voa à superfície de um planeta para fazer um ataque final aos vilões. É um jogo relativamente curto, ams é legal ver alguma continuidade entre as fases.

nemesis2gb-weapons

Nemesis II (Gameboy)

Sua seleção de armas permite que você escolha individualmente seus Mísseis, Double e Lasers, com três de cada disponíveis em cada categoria. Os gráficos são uma evolução comparados ao primeiro jogo para Gameboy, e as músicas são bem bacanas. Os controles parecem ter uma resposta pior, e a nave ainda não tem animação quado se move, logo não está no nível dos Gradius mais completos, mas ainda é um jogo único o suficiente para garantir um conferida. A música também é excelente. Este jogo também pode ser encontrado na série Konami Gameboy Collection – Vol. 3 no Japão e Vol 4. na Europa.

gradius2gbc-05

Gradius: The Interstellar Assault (GBC)

Veja mais fotos de Gradius: The Interstellar Assault na galeria no fim deste artigo.

Gradius Galaxies / Gradius Advance / Gradius Generation – Gameboy Advance (2001)

Capa japonesa

Capa japonesa

Gradius Galaxies foi desenvolvido pela Mobile 21, uma “joint venture” entre a Nintendo e a Konami que tinha como foco jogos para portáteis. Não é um jogo exatamente inovador, mas para uma versão em miniatura do Gradius, é mesmo muito bom. Para começar, este não é um jogo tão “capado” como os jogos anteriores para Gameboy, então apesar da baixa resolução, ele tem uma ótima jogabilidade. Os gráficos são melhores que os do Gradius III, mas ainda não estão no nível do Gradius Gaiden. Alguns dos cenários, como a lua vermelha brilhante da fase das cavernas e o cometa na fase warp são bastante impressionantes. Há também um uso ocasional de efeitos de zoom e rotação, como enormes e lentos asteróides com passagens estreitas no meio. Como em todos os Gradius anteriores, há um chefe invencível que atravessa a tela indo e vindo lentamente, forçando você à se esconder em pequenos vãoes para não ser esmagado. Aqui, uma máquina como uma serra rotatória aumenta até tomar uma grande parte da tela – similar à aquela do Gradius Gaiden, mas muito mais ameaçadora. Apesar dos gráficos serem de qualidade, o mesmo não pode ser dito sobre a música. Assim como em Castlevania: Harmony of Dissonance, a qualidade das músicas levou um golpe, com terríveis bips e blops que soam piores dos costumamos encontrar nos jogos para NES.

gradiusgba-weapons

As fases não são muito interessantes, com apenas poucas inovações legais aqui e ali. A segunda fase lembra uma das fases do Gradius 2 para MSX – ela consiste em plataformas de vidro, que podem ser destruídas atirando nelas. Se você não tomar cuidado, você pode acabar destruindo as fundações destas plataformas, fazendo os tetos desabarem em cima de você. A fase subterrânea tem cachoeiras e flutuam em pleno ar, o que é também é similar à uma fase do XEXEX, um outro jogo de nave da Konami. Existe uma fase no espaço sideral, uma subterrânea, uma de fogo, uma fase moai (com um chefe moai cibernético) e uma fase com a base mecanizada. O chefe final é essencialmente apenas um cérebro gigante dentro de um tanque. Por algo motivo os famosos cores do Gradius se parecem mais com globos oculares do que com “orbs”, e eles tremem quando você atira neles. Há apenas quatro configurações de armamentos, o que é muito pouco diferente do setup apresentado no Gradius III. Cada configuração deixa a sua Vic Viper com uma cor diferente.

gradiusgba-01

Gradius Galaxies é um jogo bastante sólido, mesmo sem trazer nada de novo à série. É de longe menos frustrante que as versões arcade, e a habilidade de se recomeçar de qualquer checkpoint – sem se preocupar com continues limitados – tornam-o um jogo fácil de pegar e jogar. Mas ele falta também à ele uma identidade própria, parece um tanto sem propósito. Ainda sim é uma das melhores formas de se jogar o seu Gradius em qualquer lugar por aí.

gradiusgba-02

Estranhamente, Gradius Galaxies foi lançado nos Estados Unidos e na Europa antes de ser lançado no Japão. A versão japonesa tem algumas fases extra de “bonus challenge” a mais.

gradiusgba-03

Veja mais fotos de Gradius Galaxies na galeria no fim deste artigo.

Vídeos

Nemesis Gameboy Gameplay (GB)

Nemesis II  Gameboy Gameplay (GB)

Gradius: The Interstellar Assault – Konami Gameboy Collection (GBC)

Gradius Galaxies Gameplay (GBA)

Galeria

Semana que vem: Gradius Para Celulares!

Uma resposta para “Especial Gradius, Parte 13: Gradius Para Portáteis

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s