Companhias Coreanas de MSX – Parte 4: Zemina (Parte 3 de 3)

Artigo originalmente publicado no site Hardcore Gaming 101, traduzido para o português pelo site MSX Resources, sob autorização.

Este artigo é a parte 3 de 3 referente à Zemina – confira a parte 1 aqui e a parte 2 aqui.

재미나 Zemina / 새한상사 Saehan Sangsa

Jogos:

퍼즐게임 (Puzzle Game) / Puznic – MSX, Master System (1990)

Capa de Puznic

O jogo Puzznic da Taito foi portado oficialmente para um punhando de plataformas, mas não para o MSX. Então, lá veio a Zemina para o resgate mais uma vez. Por sabe-se lá qual razão o título que aparece na caixa difere do título dentro do jogo, onde sua origem se torna mais clara, como Puznic. Toda a nudez, que já havia sido removida de todas as versões, exceto a original japonesa para arcade, não aparece aqui também. Assim como no jogo original, passa-se de fase movend-se as pedras verticalmente, até duas ou mais da mesma cor se alinhem e desapareçam.

A versão para MSX contém 48 níveis inéditos e alguns elementos de jogo novos. Pedras são movidas em meio-passos, o que cria novas situações interessantes, Há um item especial que pode fazer com que qualquer bloco desapareça individualmente. Isso pode enganar jogadores que acreditam podem usar isso para corrigir seus enganos, mas seu uso é limitado á três vezes, e existem exatamente três pedras no jogo que são impossíveis de serem removidas sem isso. Depois da última fase, o jogo recomeça do início, logo o jogo termina finalmente quando se chega à fase que possui a primeira destas pedras pela segunda vez.

Confira fotos do gameplay de Puznic na galeria no fim deste artigo.

후레쉬포인트 (Flashpoint) – MSX, Master System (Janeiro, 1991)

Capa de Flashpoint

Depois do avassalador sucesso do Tetris no GameBoy, tudo mundo e mais um pouco queria ter sua própria versão, logo era apenas uma questão de tempo para que o Flashpoint aparecesse. O jogo é uma adaptação direta da versão do clone para arcade da SEGA, de 1989. Em 90 níveis o jogador deve apagar blocos-bomba especiais para completar a fase. Assim como no Tetris original, os blocos caem cada vez mais rápidos, mas seu nível de velocidade pode ser diminuído ao limpar completamente as fases.

Como qualquer fase termina quando acaba-se com todas as bombas, algumas fases são incrivelmente difíceis pelas regras padrão de Tetris aqui se tornam ridiculamente fáceis. Várias fases forma desenhos de personagens.

Confira fotos do gameplay de Flashpoint na galeria no fim deste artigo.

사이보그 Z (Cyborg Z) – MSX, Master System (Agosto, 1991)

Capa de Cyborg Z

Este é um dos jogos mais raros da Zemina, já que em 1991 o povo já estava mais interessado em hardware mais avançado. A empresa finalmente fez sua transição para ROMs Megabit (equivalente à 128KB), contendo muito mais gráficos que os produtos anteriores da marca, com oito fases distintas. O personagem do jogo é uma cópia do robô gigante Mazinger Z da série de anime de 1972, incluindo sua marca registrada, o ataque “Rocket Punch”. O jogo conta com o mesmo sistema de armas de The Three Dragon Story, com várias armas que pode ser trocadas a qualquer hora. Esse jogo é muito menos cruel, com o robõ possuindo um número de vidas extras.

Em cada uma das um tanto longas fases há um chefe e um sub-chefe, sendo que as lutas com os chefes principais acontece em uma tela separada. Após isso, o jogador pode ganhar upgrades e vidas extras numa fase de bônus. Assim como o jogo anterior, Cyborg Z também sofre com o terrível scrolling vertical do MSX.

Confira fotos do gameplay de Cyborg Z na galeria no fim deste artigo.

원시인 (Wonsiin) – MSX, Master System (Outubro, 1991)

Capa de Wonsiin

Wonsiin é um port do jogo para Famicom Shin Jinrui: The New Type (Adventures of Dino Riki nos EUA), que deus à Zemina mais uma chance de trabalhar com jogos de tiro vertical novamente. Como esperado, o scrolling é arrastado aqui também. Houveram outros cortes, mas de modo geral Wonsiin é um porte decente deste jogo inspirado no Knightmare. Interessante que certos elementos que esperaríamos que fossem cortados no MSX, como os esqueletos de dinossauro, estão intactos. Mesmo assim, Wonsiin termina depois da terceira fase, deixando as últimas fases de fora. Elas são baseadas nos gráficos das tr~e primeiras fases, então não teriam usado muito espaço – vai ver que a Zemina os considerou desnecessários.

Como no jogo para NES, o homem das cavernas vai atirando ao longo de uma fase com scrolling vertical, fazendo upgrade de suas armas de lanças para machados de pedra, bumerangues e um lança-chamas(!)de tem que pular sobre obstáculos para chegar até os chefes. Por sabe-se lá qual motivo, seus lugares foram trocados, e tiveram seus padrões de ataque um pouco melhorado. O último chefe é estranhamente parecido com o Bowser. O jogo é bastante difícil, mas não tão difícil quanto o The Three Dragon Story.

No começo de 1992, Zemina anunciou a continuação Wonsiin 2, que não conseguiu ser terminada antes que o time de desenvolvimento deixasse a empresa para formar a Open, que praticamente o fez sob o nome de  Wonder Kid.

Confira fotos do gameplay de Wonsiin na galeria no fim deste artigo.

슈퍼보이 III (Super Boy III) – MSX, Master System (1991)

O terceiro jogo desta longa série da Zemina. Poderíamos esperar que este fosse uma metade clonada de Super Mario Bros 3, mas apenas a sprite do Mario e algumas outras foram ripadas deste jogo. Todo o resto foi redesenhado, mas baseado em material do Super Mario World. Isso criou certos elementos estranhos, como canos na diagonal criados como escadas.

Capa de Super Boy III

O jogo possui 16 fases, o que é igual ao número de fases dos dois Super Boy anteriores somados, mas desta vez elas são totalmente novas. No fim de cada fase há um Hammer Brother, e o chefe final é a sua versão maior do  SMB3. A velocidade do Mario(?) caminhando é absurdamente lenta, e mesmo correndo ele não vai muito rápido. Os extras são limitados aos que existem desde o primeiro jogo. Tudo isso parece como se o próximo jogo da série Super Mario teria sido se o Miyamoto tivesse ficado sem idéias. vendo como toda a arte em pixelsé nova, fica difícil entender porque eles não criaram seus próprios personagens de uma vez. O desenvolvedor estava tão sem idéias? Outros jogos da Zemina sugerem que este não era o caso.

E finalmente o herói consegue salvar sua primeira princesa, num final bem curto.

Confira fotos do gameplay de Super Boy III na galeria no fim deste artigo.

스트리트마스터 (Street Master) – MSX, Master System (1992)

O último jogo da Zemina para MSX baseado no copyright de outra empresa foi o Street Fighter. Baseado no primeiro jogo, ele também conta com alguns  lutadores do Street Fighter II. Os cinco inimigos são Joe, Chun Li, “Ninja” (retiraram o nome de Geki por algum motivo), Bison (o boxeador) e Gen. O jogador sempre assume o papel de Ken, Ryu não está disponível (apesar da sprite estar usando as suas cores). No modo de 2 jogadores, o segundo jogador – que fica à esquerda da tela neste jogo – pode escolher entre os 5 inimigos. Esse privilégio é negado ao primeiro jogador.

Capa de Street Master

Street Fighter 1 foi esquecido logo após o seu lançamento por causa dos seus controles horríveis. Bem, em Street Master, eles são ainda piores. Os únicos golpes que conseguem colocar o jogador perto dos oponentes do computador são os golpes especiais, contra os quais os inimigos não tem chance alguma. Logo o único jeito viável e incrivelmente apelativo de jogar é  fazer estes mesmos golpes até a exaustão. E ainda assim é bem possível perder a luta dessa forma, já que os comandos destes golpes só são reconhecidos de vez em quando.

O jogo parece ser um retrocesso comparado com outros jogos da Zemina. os gráficos não são tão ruins, mas as caixas pretas em volta dos inimigos estão de volta – é por isso que a metade inferior da tela é preta – mas isso se torna visível toda a vez que eles pulam, de qualquer forma. Quando todos os inimigos são derrotados, o jogo volta á tela de abertura, sem ao menos mostrar nenhum crédito ou mesmo alguma mensagem.

Confira fotos do gameplay de Street Master na galeria no fim deste artigo.

Galeria

Zemina também lançou jogos para Master System e Famicom, que não estão cobertos neste artigo. Para vê-los veja o artigo original.

Anúncios

Um comentário sobre “Companhias Coreanas de MSX – Parte 4: Zemina (Parte 3 de 3)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s