Do Outro Lado da Cerca: Trilogia Shadow of the Beast (1989, Amiga 500)

Agora vou tocar em um nome considerado o “amuleto sagrado” dos fãs da plataforma Amiga. Alguns destes mesmos fãs consideram apenas o primeiro título digno de nota, mas quem afirma isso não percebeu que o enredo se trata de uma trilogia, afinal, você assistiria apenas um episódio de “Star Wars”  e diria que entendeu a saga completa?

Este é o famoso “Shadow of the Beast”, um jogo que mostrou do que um mero Amiga 500 é capaz. Sua qualidade gráfica marcou a época, antes dele não existiam jogos para microcomputadores capazes de exibir uma movimentação de tela com tantos planos de cenário se deslocando de forma independente ao mesmo tempo. O efeito de profundidade ainda é de saltar os olhos.

Histórico do jogo

Shadow of the Beast em sua versão original foi desenvolvido pela Reflections Interactive e lançado pela Psygnosis em 1989 para a plataforma Amiga. Em seu lançamento o preço do jogo foi considerado alto em relação aos outros títulos da época, em compensação o jogo vinha com uma camisa com a arte da caixa estampada.

A primeira versão

Apesar de existirem outros títulos de ação similares na época, Shadow of the Beast se destacou principalmente por seus gráficos, exibindo uma grande quantidade de cores com até 20 planos de deslocamento de cenário ao mesmo tempo (parallax scrolling).

As musicas dão um show a parte e foram compostas com amostras de instrumentos em alta qualidade.

O título original conta a história de um homem chamado Aarbron que foi capturado quando criança e transformado em um guerreiro monstruoso, servo de Lord Maletoth. Aarbron recobra parte de sua consciência humana ao ver um homem sendo executado, ao qual depois se recorda de ser seu pai. Isso faz com que Aarbron busque por vingança, e é neste momento que entra você no controle do personagem.

A jogabilidade é precisa porém a dificuldade é acentuada até mesmo para os jogadores hardcore. Apesar de ser um bom jogo ele é não é recomendado para “meros mortais” que gostam de casualidade. Seus reflexos serão testados do começo ao fim, e para quem nunca jogou o título, não será difícil nas primeiras tentativas você sequer passar do início.

Se quiser pode conferir um pouco da jogabilidade agora, ou se tiver uma paciência acima da média pode também assistir a jogatina completa do começo ao fim, graças aos esforços dos usuários do site “recordedamigagames.org“:

Shadow of the Beast II

Em 1990 é lançado a continuação da história do herói do primeiro título, que agora está em uma forma meio humana e procura por sua irmã sequestrada por um dos servos de Maletoth.

Nesta sequência você tem contato com outros seres que irão lhe ajudar na jornada, mas não ache que isso facilita em algo, pelo contrário, na versão do Amiga não há como continuar se você morrer e ainda por cima há alguns enigmas que você só tem uma única chance de resolver, isto é, se algo der errado você é obrigado a recomeçar desde o início (WTF?).

Outro ponto que também torna a coisa complicada (MAIS AINDA??) é que há áreas abertas que você pode seguir sem ter obtido alguns itens que são necessários adiante. Imagine a raiva em descobrir isso depois e ter que voltar tudo novamente?

Pois é, na versão de Shadow of The Beast 2 do Amiga não há espaço para erros, algo que foi muito criticado na época e foi corrigido posteriormente somente em versões portadas para outras plataformas.

Os gráficos continuam bons, mas não há mais aqueles efeitos visuais com grande quantidade de planos simultâneos. Em todo caso, a trilha sonora continua fantástica.

Segue abaixo a jogabilidade completa de Shadow of The Beast II do Amiga, quem sabe você se anima para repetir a proeza?

Shadow of the Beast III

O capitulo final da saga é lançado em 1992 e mostra Aarbron finalmente com feições humanas, mas para conseguir se tornar completamente humano ele deverá derrotar Maletoth de uma vez por todas.

Este capítulo não conseguiu atingir o mesmo destaque dos anteriores, apesar dos reviews positivos da época, apontando como vantagens a jogabilidade mais acessível e dificuldade moderada.

Shadow of The Beast III conta com quatro estágios distintos e uma grande área. Desta vez a ênfase não ficou na ação ininterrupta dos títulos anteriores, mas sim em atividades que exigem mais raciocínio. Isso não significa que seus reflexos e habilidade não serão exigidos em várias partes do jogo.

E para complementar, segue mais um vídeo da jogabilidade completa do último capítulo de Shadow of the Beast:

Versões em outras plataformas (ports)

Shadow of the Beast ganhou uma quantidade imensa de ports, alguns são a “sombra da besta” literalmente (pegou a piadinha?), outros tiveram algumas supostas melhorias, sejam na música, quadros adicionais de animação, mais cores etc. Mas ao meu ver, e na opinião dos fãs, a versão definitiva do jogo é a do Amiga.

A primeira versão de Shadow of the Beast ganhou ports para as seguintes plataformas (além do Amiga):

  • Amstrad CPC
  • Atari Lynx
  • Atari ST
  • Commodore 64
  • FM-Towns
  • PC-Engine TurboCD
  • SEGA Mega Drive / Genesis
  • SEGA Master System
  • SNES
  • ZX Spectrum

Algo curioso a ser notado é que a versão norte americana do Mega Drive foi considerada a mais difícil de todas devido a um erro na migração do padrão PAL para NTSC, acelerado o sistema de 50Hz para 60Hz sem ajustar a temporização, tornando o jogo cerca de 16,7% mais rápido e DIFÍCIL. A versão japonesa além de ter corrigido este problema, a dificuldade foi reajustada e os gráficos foram aprimorados, isso mesmo, um mesmo videogame teve o mesmo jogo com gráficos diferenciados, coisa que também aconteceu com o título Castlevania III do Nintendinho.

Em contraste com a primeira versão, Shadow of the Beast II recebeu poucos ports, entre eles para o Atari ST, FM-Towns, Mega Drive / Genesis e SEGA Mega-CD, onde também ocorreram alguns ajustes na dificuldade, músicas e gráficos.

A terceira versão do jogo infelizmente até foi cogitado a portagem para Mega Drive, mas isso não aconteceu, ficando portanto como um jogo exclusivo para a plataforma Amiga.

Se quiser conhecer todos os ports existentes para o primeiro Shadow of the Beast, assista o vídeo abaixo:

Conclusão

A trilogia Shadow of the Beast mostra uma saga épica de um herói buscando sua humanidade e nos presenteia com uma majestosa composição gráfica e musical.

Concordo com os fãs e considero também a versão definitiva sendo a original do Amiga, e afirmo isso pois já joguei as outras versões e apesar de algumas melhorias, seja na dificuldade, música ou gráficos, nenhuma consegue abraçar o “pacote completo” em toda a sua glória.

Infelizmente a jogabilidade em sua plataforma original pode afastar os entusiastas menos persistentes, se este é seu caso não pense duas vezes, use códigos de trapaça sem a menor vergonha na cara e curta sem medo esta trilogia imperdível.

Está esperando o quê? Shadow of the Beast é old but GOLD!

 Fontes:

  • Os vídeos não são de minha autoria, os créditos estão presentes neles mesmos.
  • Partes deste post foram traduções livres de Shadow ot the Beast na Wikipedia.

Old but Gold é uma coluna escrita por Mauro Xavier, para o seu site, a Casa dos Nerds. Esta coluna apresenta reviews de jogos para várias plataformas retrô e é apresentada aqui no MSX Resources em uma parceria direta com o CdN.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s